Minimizar as perdas de água é o combate do futuro

0
22

Desperdícios chegam quase aos 30% do total da água que entra nas redes de distribuição nacionais

Por Zita Correia e Margarida Santos

Portugal continua a desperdiçar demasiada água para os recursos hídricos de que dispõe, enquanto uma parte significativa dos consumos não são facturados. Esta conjugação de factores ficou espelhada no “Relatório anual dos serviços de águas e resíduos em Portugal 2020” – o mais recente feito a nível nacional –, da responsabilidade da Entidade Reguladora dos Serviços de Água e de Resíduos (ERSAR).

De acordo com o estudo, 28,8% da água que entra nas redes de distribuição a nível nacional perde-se, enquanto 28,7% do total da água que entrou no sistema de distribuição em 2020 não foi facturado. Portugal continua a perder diariamente 125 litros de água por cada ramal de distribuição de água.

Segundo o “Relatório anual dos serviços de águas e resíduos em Portugal 2020”, da Entidade Reguladora dos Serviços de Água e de Resíduos, cerca de 28,8% da água que entra nas redes de distribuição a nível nacional perde-se.

A ERSAR salienta os “níveis muito elevados de água não facturada”, especialmente nos sistemas que operam em “regime de gestão directa”, sob a tutela de “serviços municipais, municipalizados e associações de municípios”.

Em Maio de 2020, a Águas de Gaia, Empresa Municipal firmou um contrato com a Indaqua, empresa privada envolvida em diversos projectos de redução das perdas de água. Os bons exemplos de municípios como Fafe, Matosinhos, Santo Tirso, Trofa, Oliveira de Azeméis ou Vila do Conde deixam bons sinais para um futuro próximo. Aguardam-se os resultados da intervenção da empresa na gestão da água em Vila Nova de Gaia, naquele que será o grande desafio do futuro imediato: reduzir ao mínimo as perdas de água no concelho.

A nível nacional, as perdas de água verificadas nos grandes consumos devem-se, em grande parte, a roturas na rede na via pública, às fontes e fontanários, bem como ao desgaste do material, seja nas paredes dos reservatórios, seja nas próprias condutas; do lado privado, são os banhos com água sempre aberta, os banhos de imersão e… a lavagem dos dentes. A agricultura representa um papel importante no consumo de água. Um estudo promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian, em 2021 (ver textos página 5), revelava que 75% da água disponível em Portugal é consumida na agricultura. A média europeia é de 24% e a mundial de 69%.